sexta-feira, 17 de junho de 2011

Rumo a mim

Por que fazem carros com capacidade para 220km/h se temos que moderar a velocidade? Por que adquirimos a possibilidade de pronunciar palavras mas não necessariamente o dom de proferí-las ? Por que aprendemos a dar os primeiros passos quando ainda não temos a menor maturidade para escolher o caminho? Por que alcançamos a capacidade de ter filhos quando ainda somos o filho?   Vinha pensando eu sobre como tenho que me virar com o despreparo diante da vida... Será que para conhecer as respostas eu tenho obrigatoriamente que me acidentar em alta velocidade, falar o que não devo, me perder na estrada ou engravidar equivocadamente? Que pergunta esqueci de fazer antes desse meu momento? Parto divagando sem amarras...desabotôo minha liberdade...minhas palavras soltas até são registradas quando lidas, mas só se imortalizam quando a comoção perfura o âmago e perdura tempo suficiente para desbotar a transformação.. pode ser no lapso de uma piscada de olho, no intervalo da queda de uma estrela, no flash de um relâmpago, na brevidade de um sopro. Tudo enfim tão evidente...o detalhe que faltava para o encaixe das peças... tão presente, ali diante dos olhos, que de tão insignificante e banal, tornou-se invisível...um cilho no rosto, a mancha no teto, o grão da areia, o fiapo grudado na roupa, um ponto de sol escapando da telha, um furo na meia... eu, nessa jaganda de rodas...sem âncora, à deriva como o barco embriagado do Rimbaud...cantarolo uma canção...Não volto pra o mundo onde não existo, não volto mais, não olho pra trás...e ainda que meu futuro me condene, desta vez ele me acerta, me atinge em cheio e me empurra para a  frente. Abandono os atrasos da rota percorrida, esqueço os parasitas do caminho...rompo a correia das esporas, largo as armas enferrujadas...fecho os olhos, parto as escuras sem norte...sem fardos, sem escoras..sigo leve rumo a mim...

5 comentários:

  1. Como diziam os espartanos: diante do inevitável, relaxe e aproveite.

    Sei que é uma longa, lenta e por vezes árdua jornada. Ainda que não passemos pela mesma situação, já tive - e tenho - um processo de reabilitação na minha vida. Desejo exatamente o que você encontrou nesse barco: leveza.

    Continue!!

    ResponderExcluir
  2. Prego, suas explosões poéticas (malditas ou não) tem me feito tbm, dar boas gargalhadas, como vai ser mesmo o nome de seu LIVRO?

    Melhor "COISA" que me aconteceu nos últimos tempos, é te seguir, ler você me faz 'ver" uma fresta de luz no fim do túnel " e assim, ...Parto divagando sem amarras...desabotôo minha liberdade...LINDO ISSO! Viva a Rimbud!, Viva a Kalina!

    Ei, paz a cada passo, viu?

    ResponderExcluir
  3. Não sei bem se é seu futuro que lhe condena, mas... rs... Também tenho seguido esse rumo que vai até vc!!!rs... Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Impressionante... meus olhos se encheram de lagrimas ao ler esse texto... DEMAIS!

    ResponderExcluir
  5. Lia, Rô, Imperial Jr e Patrícia...trazer vcs comigo também alivia meu mundo e melhora esse rumo. As vezes eu não sei mais nada, mas de dentro resta o que me é essencial...o suficiente para continuar. Construído por vcs, aí vai: leveza, paz a cada passo, seguido o rumo até vc, nos olhos cheios de lágrimas.

    ResponderExcluir