quinta-feira, 23 de junho de 2011

Qualquer lugar...mas me leve junto

Quando veio já tinha sido...a noite passou em um segundo..."todo dia a insônia me convence que o céu faz tudo ficar infinito"...o dia então começa com a introdução de uma sinfonia crescente de raios de luz...uma fresta escapa apertada pra dedurar o claro."Não sei flutuar nas nuvens como você"...mas dou rasantes em meus pensamentos nessa esfera, era minha e as vezes nossa... abrigada nas nuvens ninguém me destoa, nem me rouba o roteiro em minha urgência de gritar e calar...despregar de mim, decolar pra longe...ir aonde eu sempre quis de uma vez por todas, sem me adiar por nem mais um segundo...nem de raspão nem por um triz...desejo certeiro e reto que move a vontade. Para aonde você vai hoje? Você tem escolhas? Para aonde me levaria? Vá então...exerça, viva!! Mas vá andando...não esqueça de dar-se conta da temperatura uniforme de seu corpo, de seu peso urgindo nas raízes das pernas, do vigor do sangue circulando a vida na comunhão dos músculos, encontrando-se nos passos de uma dança, alternando entre a contração e o relaxamento, harmonizando enfim o movimento...essa coisa quase involuntária mas certamente inconsciente e ignorada desde que você ganhou estrada. Não vale maldizer a sobrecarga cotidiana...apenas preste homenagem a sua capacidade, seja ela qual for...não a despreze mais como aquele refrão decorado cujo significado nunca foi ouvido. Vá hoje a pé a algum lugar aonde você nunca foi pisando o chão...mas me leve junto. Não é necessário me conhecer...você é o desconhecido que não me faz medo... também não precisa ser distante...nem necessariamente longo. Só precisa ser percebido e meditado. Tenha a terra como assoalho..chão de folhas, de concreto, de barro ou asfalto...entrecortado, irregular, de pedrinhas, grama verde... solo de areia ou na areia, solo...não importa. Apenas ouça os "passos das pisadas" e sorria se lembrar de mim.

3 comentários:

  1. Liiinda reflexão!!!

    Fez lembrar o verso de uma canção de Dolores Duran que diz: "Me dê a mão, vamos sair para ver o sol!".

    Aquele abraço demorado!

    ResponderExcluir
  2. É interessante como realmente não damos valor às pequenas coisas... Hoje, confesso, já tenho uma outra visão sobre elas, graças a alguém que me fez refletir sobre as mesmas. "Nada nessa vida é por acaso", acredito! Ao ver minha filhinha caminhando na areia da praia, ainda com uma certa insegurança, entendo quão difícil é pra ela o desafio dessas pequenas passadas e redobro a paciência e o cuidado. Valorizo cada dia a mais essa condição de andante: privilégio de muitos, reconhecimento de poucos. Bjoks

    ResponderExcluir
  3. Artemisa: Vamos sair pra vê-lo sim!
    Geninha: pois é...faça disso uma alavanca.

    ResponderExcluir