segunda-feira, 25 de julho de 2011

A quoi bon?

A dança lenta dos biombos abraçando as camas intercalando as intervenções privadas. O baunilha do céu confunde trazendo ou levando o dia...acordamos e adormecemos no meio de um oceano...26 sobreviventes de naufrágios diferentes se encontram na mesma ilha de Pandora...olhando o mesmo teto e calando a fala...ouvindo os ruídos incessantes de tudo em volta...os chamados se alternam a noite inteira...meu corpo cansado padece em minha jangada a espera de um resgate. O dia encolhe a fronha...interpõe imagens de dentro e de fora do mundo...desligo os olhos mais uma vez, tudo arde em volta...olhares vagos distantes..."os nós que arrebentam, os fios que enlaçam, vontade entre alegria e dor"...antecipo a rotina...um centímetro a mais de flexão, um segundo a mais de resistência, alguns gramas a mais do deslocamento ou na densidade de sustentação..."à quoi bon?"...("de que adianta"..."para que serve"). A quoi bon mexer minimamente os braços se não se consegue tocar a cadeira? A quoi bon mexer a mão se não se consegue segurar o garfo? A quoi bon segurar o garfo se não consigo fisgar a comida? A quoi bon fisgar a comida se não se consegue levá-la até a boca? A quoi bon mexer as pernas se não consigo andar? A quoi bon existir se não posso viver?

Nenhum comentário:

Postar um comentário