segunda-feira, 25 de julho de 2011

Foi assim...

Foi assim...eu já havia ultrapassado o estágio do esboço de contração...vencido rolinhos embaixo dos joelhos e tornozelos, sentada no tablado, dorso contra encosto. Já havia deslocado theraband de todas as cores, deitada na cama do ginásio, tracionando músculos acionadores, estabilizadores e desaceleradores do movimento da marcha...também já havia pedalado, ainda que minhas pernas estivessem amarradas dentro de botas instaladas nos pedais...também já havia ficado em pé com os joelhos bloqueados na mesa mecânica...trabalhado equilíbrio de tronco, com e sem elevação de braços, ainda que este fosse meu ponto fraco até então...sentía-me segura o suficiente para confiar na harmonia e compensação entre as cadeias musculares. De fato, faltava-me a coordenação de tudo em uma sequência...Então meu terapeuta funcional falou a frase mágica:
- Vá para as paralelas.
As barras paralelas representam uma espécie de "corredor da esperança"...um túnel de aproximadamente três metros para percorrer de pé...e tem um espelho do final...uma saída para esbarrar com quem a gente é...cabe direitinho sem mentir...a revelação "do que te agrada e o que te dói"...é onde você dá a cara a tapa, tira a prova dos nove, faz o acerto de contas...mas... "é preciso estar tranquilo pra se olhar dentro do espelho, refletir, o que é... seja você quem for"...enfrentar-se é necessário, mas sem fingir e sem autosabotagem...teria chegado a hora? Estaria eu pronta?
- Sério?
Duvidei de mim. Ele fez sim com a cabeça. Toquei Toruk até a borda da entrada das barras.Travei suas rodas. Ele prendeu minha cintura em um cinto com alças largas, segurou-as firme na lateral, pôs-me de pé e não mais me soltou. Apoiei os braços nas barras, estabilizei o tronco...olhar fixo no chão a frente...medo...
"O medo é uma linha que separa o mundo
            O medo é uma casa aonde ninguém vai
                      O medo é como um laço que se aperta em nós
                                O medo é uma força que não me deixa andar"
Balbuciei suor e tontura...meu sangue aquecendo. Vapor ardendo. Os sons emudeceram-se em volta. Slow motion...sua voz me recomendava algo... eu entorpecida de emoção...
- Pernas semifletidas, tente sustentar o corpo o máximo sem os braços.
Ele checava a potência da força. Lancei-me..."por favor não me traiam, segurem-me...não me larguem logo agora"...apelo arrancado do fundo... muito tremor...inevitável... eu me inundava de vida e movimento...com a ajuda dele, avancei a passos curtos, lentos e valentes até a ponta e voltei. Toruk me acolheu no colo...nada falhou.  Respiração alterada...Gritei alto por dentro...por fora merecidas lágrimas sem pudor...silêncio longo...profundo... mistura de respeito e cumplicidade...
- Pode ir.
Voei dali com Toruk em um pranto bem esperado...minha alegria em segredo...

3 comentários:

  1. Oi, Profa! Emocionante o post... Sua alegria em segredo e a nossa escancarada!

    Cheiro.

    ResponderExcluir
  2. Sem comentários...lágrimas percorrem meu rosto de tanta alegria.

    ResponderExcluir