segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Quando a vida arde...

O óbvio prega peças...leituras, vozes, concentração, clique de telas, dedos correndo nos teclados...prazos, datas, agenda, calendário...tenho que cumprir...a rotina voltou com força para os meus braços e eis que é muito bem vinda... Consegui alcançar o trem da história que havia partido sem mim. Tudo mudado...alguma coisa tomou outro tom, estranha linguagem, obsoleta tradução. Os sons precisos se amortecem longínquos vez em quando, dando lugar a pensamentos...sentimento de distância, recuo...a vida não se importa quando sentamos na borda para refazer o fôlego...ela segue impiedosa, voraz, apressada. Fui ali, encolhi-me em uma bolha e quando voltei, retomei a sequência, perdi o fio da meada... sem entender o que aconteceu nos capítulos estagnados de minha vida. Um linha tênue, rasa, reta, morou na lacuna..como um traçado morto, sem ação nem vida. Juntei o amontoado de papéis sobre a mesa, encaixei os livros na mochila e já nem ouvia mais os recados, os afazeres...meu olhar vago no horizonte curto...lembrei do clima da volta daquele náufrago solitário vítima de um acidente aéreo... resgatado depois de 4 anos, confinado naquela ilha deserta...tudo tão sem significado, tudo tão diferente de antes...antes do acidente ele só pensava em bater récordes vencendo o tempo...quase isso em mim...irônico, mais uma vez...sigo, me despeço, digo "ok" para todos os afazeres, compromissos, obrigações...saio sem pressa, andando por aquele lugar tão familiar e ao mesmo tempo tão modificado...cumprimento alguns passantes como se revisitasse um set de filmagem. Atravesso a catraca da saída, visualizo na frente do prédio a vaga para portadores de necessidades especiais repleta de motos..."perdoe porque eles não sabem o que fazem?"...espero sinceramente que eles não saibam nunca um dia o que significa ter que ocupar aquele lugar..."conquistar" aquele "privilégio". Mas não resisti e falei para o motociclista que estava chegando:
- Por favor, você pode não estacionar aqui e me ajudar a deslocar as outras motos?
- Mas é jogo rápido.
- Eu sei disso... a vida da gente pode mudar bem rápido mesmo. De uma hora para a outra a gente guia uma moto e depois vai para uma cadeira de rodas.
- Vixi que trágico (disse ele rindo). É só pra pagar uma conta, tô atrasado e se estacionar longe, já viu, né? Vou ter que vir andando e gasta mais tempo. Mas se chegar alguém aí você dá um grito e eu venho tirar a moto.
"Se eu tiver que vir andando"...nem acreditei no que ouvi...um ensaio sobre a cegueira...a civilização a beira de um colapso...se ele não quer perder tempo fazendo aquilo que pode fazer, imagina o tempo e o esforço que perde alguém que não tem escolha, estaciona longe e vem tocando a cadeira de rodas ladeira acima porque ele não pode chegar atrasado? Retomei a fala:
- Posso fazer uma pergunta?
- Diga (disse ele, já fora da moto)
- Se tivesse um guarda de trânsito aqui, você se importaria de chegar atrasado?
- Aí já é uma questão de multa, não sou otário e ía me virar. Por que? Vai chamar o guarda é?
- Não, não... era só para saber mesmo o que tem valor na sua vida. Obrigada.
Meu mundo paralelo gritando...saí andando sem olhar para trás...a vida arde.

video

6 comentários:

  1. Sabe o que é mais incrível? Sem dúvida a forma pela qual você toca cada leitor.. Colocamos-nos então, dentro de cada vivência passada e refletimos que importância a vida tem para cada um de nós e mais ainda: "O que tem valor em nossa vida" . Você nos provoca isso!

    Impossível 'ler você' e deixar as lágrimas contidas. Parafraseando a música BRY, que complementa o teor de seu vídeo: Sim! Você está de volta outra vez! Sua arte me parece mesmo ser brincar de renascer! Já teve de ser forte outras vezes, não é mesmo?

    Quem sou?
    Sou apenas uma pessoa que te acompanha de longe, e que desde sempre a admira!
    Tudo de mais lindo em sua vida!
    Beijo...

    ResponderExcluir
  2. De fato, não sei mesmo quem você é. Mas o que me importa é que minha escrita traga algo de bom para você. Sim, já tive que escalar algumas montanhas antes, essa não sendo a primeira vez... e o trajeto me deu muito mais que o próprio topo. Desejo tudo de bom para você também. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Amiga, sem dúvida o mundo tá cheio de pessoas que pouco sabem viver!! Como nos fala Neruda, apenas respiram como se esse fosse o único ato necessário a vida. Pobres de espírito, mas nos sabemos... a própria vida se encarrega de ensinar. PRI :)

    ResponderExcluir
  4. É, tem gente que não tem noção de nada...o ruim é quando respinga o outro...

    ResponderExcluir
  5. O.B.R.I.G.A.D.O. pela força que você aceitou desenvolver afim de se despedir de Pandora, e voltar com nos aqui, nesse planeta dos tumultos...onde brota o que chamamos de vida e pela qual todos queremos lutar !

    Merci, merci de mostrar pra gente o ceu novamente colorisado de sua vida e parabens para seu arte da luta, ja que essa ultima no momento parecia muito mais uma guerra do que um simples combate da vida cotidiana
    ... muitos não teriam essa capacidade de voltar de uma guerra dessa ... sendo eu o primeiro dentre todos

    Esse trecho de seu caminho tornou você uma héroina ao meu ver dando toda força ao proverbio seguinte:
    "ce qui ne nous tue pas et ne nous égare pas nous rend toujours plus forts"

    Beijos amor e que teu caminho te traz mais paz e tranquilidade no futuro

    ResponderExcluir
  6. Para onde teus passos têm te levado?

    ResponderExcluir