quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Go Kalina!


Era sexta-feira, 15 de julho quando me firmei entre moletas pela primeira vez. Já descrevi isso antes...mas ainda não me convenci de ter transcrito a sensação na íntegra...passei dias acordando durante a noite para verificar se minhas contrações eram reais ou coisa de sonho, como aquela sensação do contrário do alívio...sim, eu acordava assustada para checar meu ganho motor...se minha felicidade tinha sido efêmera...e aliás, preciso ir além da descrição dessa sensação por outra razão...por um detalhe fundamental e comovente. Estremecer no sensor das forças, latejar os dedos dos pés na irresistível vontade de coçá-los com vigor provavelmente por causa da circulação sanguínea espalhando-se nas artérias...revitalizando a pele e tirando-me da estagnação...nada disso, ou tudo isso, me resgata de retorno a borda da vida. Mas anuncio..coincidência ou não...dois dias depois de me colocar de pé apoiada nos acessórios, apesar do confinamento da internação, "corri" colada nas costas de uma amiga de infância, durante os 42km de uma maratona mundo a fora...ela me "carregou" durante 4 horas 13 minutos e 36 segundos em minha primeira maratona...filmou na retina paisagens do caminho, partilhou comigo sensações de superação, lado a lado...dor, cansaço, emoção...ouviu meu nome nos gritos dos anônimos durante o percurso ..."Go Kalina!!!"...e até uma cadeirante urrando palavras de incentivo. Minha amiga ainda não sabia do meu progresso, nem dos meus sonhos renovados de querer avançar no mundo de maneira autônoma, e quem sabe até, com as próprias pernas...e mesmo assim, me arrastou em seu fôlego, como tantos outros amigos e anônimos o fizeram a sua maneira...desde a intenção positiva, a presença, as promessas, os pedidos em seus credos, a torcida permanente, homenagens, sacrifícios..."tem coisa que não tem nome"...não posso chamar apenas de "substituição" o ato de alguns colegas assumirem todos os meus compromissos acadêmicos, em um semestre em andamento, defendendo meu nome, e tentando imaginar como eu resolveria ou faria algo se estivesse ali...eles me representaram...uma carga impensável de trabaho somada ao que eles já tinham...não posso chamar somente de "solidariedade" o fato de ter me carregado no colo pra o banho, pra o sono, médico ou fisioterapia, pra vida, ver o mar, pessoas importantes...cuidado com tanto afeto de meu cachorrinho lhe suprindo qualquer vazio ou dúvida sobre minha volta pra casa...pensado em um travesseiro melhor, almofada adaptada, proteção contra escaras, óleos para hidratar a pele, ou outros acessórios para meu conforto...provido meus armários de alimentação, dirigido meu carro, empurrado minha cadeira, exercitado minhas pernas por mim, resolvido minhas burocracias de trabalho, estudo, vaga na internação, passagem aérea, mudança de apartamento...não posso nomear somente de "acolhimento" o que aconteceu em Brasília... o "berço" preparado, o café da manhã, a privacidade e respeito por meu silêncio quando minha alma só queria calar a dor...companhia, saídas, carinho, ...como a passagem sincrônica de um bastão...meus "cuidadores" em Pandora...de treino a treino, remédios, escuta, comida...meus visitantes, indefesos diante do novo estranho...não tenho a menor capacidade de descrever os olhares distantes e silenciosos, a alegria evaziva de meus companheiros avatars com quem aprendi o significado da continuação, esperança no perdido e paciência na demora...dos que me fizeram falar, e exigir a criação do blog para ter notícias minhas...não tenho meios para definir o valor disso tudo...não sei conceituar o perdão concedido por todos eles a meu isolamento, a minha retração, meu choro irritado...só sei que causei preocupação e tristeza a quem só merecia minha alegria... Então, hoje...presto minha sincera homenagem a todos, sem exceção, que se sentiram e estiveram de alguma forma perto de mim, me trazendo nas costas como essa maratonista valente que configurou metaforicamente cada um deles, com todo esse sentimento de carinho, pelo qual serei eternamente agradecida. 

A você Van, por ter dado um nome ao que não tem nome, por ter representado o gesto de cada protagonista de meu trajeto e descrito com sutileza em nome de todos, o valor da partilha e amizade.





Um comentário:

  1. O tudo ainda é muito pouco pra representar o quanto gostamos e torcemos por você. Só uma pessoa tão fantástica poderia cultivar amigos tão sinceros e provocar atitudes tão indescritíveis. Mata-me de orgulho!

    ResponderExcluir